Terminei o livro Deuses Americanos do autor Neil Gaiman. O livro narra uma guerra entre os deuses antigos, que chegaram aos Estados Unidos trazidos pelas pessoas que migraram do velho mundo (Europa, África) que os tinham como crença, contra os novos deuses, que não são divindades comuns, são meios e necessidades enraízadas, que as pessoas idolatram, no século XXI, como a Mídia, a Tecnologia.

A ideia de Gaiman em utilizar nossos vícios diários para personificar esses novos deuses é bem legal, afinal, nos entregamos tanto a essas coisas que elas acabam regendo nossas vidas.

O livro tem umas 400 páginas e algumas delas são um pouco maçantes. Senti que faltou mais ação, pois eu esperava alguns trechos mais animadas, com mais confronto entre os deuses antigos e novos, afinal um dos personagens principais, Wednesday (o deus Odin), afirma diversas vezes que a “Tempestade está chegando” e quando ela de fato chega não é tão empolgante como imaginei que seria.

No geral é um bom livro. O mais legal é ir descobrindo os deuses escondidos nos personagens, por exemplo o amigo de cela de Shadow (o personagem principal) se chama Low-Key Lyesmith, e mais tarde descobrimos que ele é Loki, o deus nórdico da travessura e da astúcia.